[Resenha] A mulher na janela

O livro é com a narrativa pelo ponto de vista da Dr. Anna Fox que sofre com Agorafobia (pânico de lugares amplos, abertos), que pode ter vários níveis e o dela já é um nível bem avançado. Anna vive apenas dentro de sua casa e nem as janelas ela abre. Isso já acontece há quase um ano. 
Ficha técnica
Autor: A. J. Finn
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 352
A vida de Anna se resume em assistir filmes antigos, beber e stalkear a vida dos vizinhos através das janelas da sua casa, com sua câmera Nikon em mãos. Acompanhando a vida dos vizinhos todos os dias e aprendendo as suas rotinas. Já que não consegue viver lá fora e sua casa gigantesca ficou vazia desde que a filha e o marido se mudaram. 

Bisbilhotar é como fotografar a natureza: a gente não interfere no que está vendo.

Anna um dia já foi psicóloga, antes da doença a impedir de viver fora de casa. Agora, para se sentir útil e talvez ajudar alguém, Anna navega no site Ágora, onde pessoas com o mesmo problema dela compartilham suas vidas e seus progressos. Lá, a doutora tenta dar conselhos para ajudar na melhora daquelas pessoas, mesmo que não consiga ajudar a si própria. 

Quando a vida de Anna não podia estar mais monótona, algo acontece e muda tudo. Ela vê alguém ser assassinado na casa vizinha, quando está observando com a sua câmera. Mas o que ela pode fazer? O que ela viu realmente aconteceu?

— O mundo pode ser um lugar bonito – insiste Jane, séria; firme no olhar, firme na voz. — Não esqueça disso. – Ela se recosta na cadeira e apaga o cigarro na tigela. — E não abra mão dele.

Esse é um suspense psicológico, então não espere que terá muitas ações. Tudo que vemos é pela mente de Anna, personagem nem um pouco confiável. Com a doença ela toma vários tipos de remédios e bebe álcool – o que não é uma boa mistura –, então será que podemos confiar no que ela vê? É nesse meio que a trama gira e vi que algumas pessoas viram nisso um problema. Ele é muito psicológico, então a leitura para alguns pode ser que pareça monótona, o que comigo, que adoro esse tipo de suspense, não ocorreu.

Pra mim, a leitura foi muito boa e correu de forma rápida. Gosto bastante do lance psicológico da trama e me envolvi nos mistérios do livro. Os personagens não são tão agradáveis, não me cativaram tanto, mas também não foi algo que atrapalhasse o andamento da leitura. O final talvez pudesse ter sido melhor trabalhado, mas foi um livro bom de ler e que me proporcionou uma boa companhia. 

Houve um tempo em que minha mente era um arquivo muito bem organizado. Hoje é um acúmulo de papéis que são levados pelo vento.

NOTA: 4,5/5 🌟