Resenha - Gelo negro

“Se soubesse que as coisas acabariam assim,eu teria treinado mais. Eu teria aprendido a cuidar de mim mesma. Mas acho que essa é a questão, não é mesmo? Você nunca sabe o que terá que enfrentar, então é melhor estar preparado.”








Gelo negro, Becca Fitzpatrick
Editora Intrínseca, 2015






  Britt Pfeiffer é uma jovem em seu último ano de ensino médio e para o recesso de primavera se preparou para uma aventura nas montanhas. Ela treinou durante tempos pra conseguir se dar bem nas caminhadas da Cordilheira Teton, onde a família de sua melhor amiga Korbie possui uma cabana. Mas nada podia preparar as garotas para o que eles estavam prestes a enfrentar. No meio do caminho uma nevasca começa e elas acabam presas na estrada. Resolvem caminhar à procura de ajuda e de um lugar para se aquecer. Quando chegam a uma cabana com luz quem lhes abre a porta são dois homens, um deles, Mason, havia encontrado e ajudado Britt mais cedo, mas lá na montanha deserta ele não era nada como o homem gentil que ela conheceu.


  Algum tempo atrás algumas garotas sumiram, foram mortas naquelas montanhas e será que algum daqueles homens tinha algo a ver com aquilo? Britt começa a desconfiar e é quando os homens mostram que não são tão bons assim. Deixam Korbie na cabana e levam Britt para “ajudá-los” a sair das montanhas e encontrar a rodovia mais próxima.


  Durante a jornada tudo que Britt quer é que Calvin, irmão de Korbie que havia combinado de encontrar com elas na casa da família, a encontre. Além de irmão de sua amiga, ele também é seu ex namorado... E realmente, Calvin os encontra, mas justo quando Britt havia tentado fugir e Mason a estava trazendo de volta ao lugar onde estava Shaun, o segundo sequestrador. Chegando lá eles se deparam com Calvin ameaçando Shaun com uma arma, mas Britt é impedida por Mason de gritar e assistindo a discussão, eles assistem também a Calvin matar Shaun. Britt segue caminho com Mason, por quem sua cabeça diz uma coisa, mas seu coração diz outra. Será a Síndrome de Estocolmo, quando a vítima se apaixona por seu algoz? 





"Eu detestava ainda sentir algo por ele, mesmo que fosse uma emoção tão negativa. Detestava que ele ainda tivesse o poder de me magoar."








  A partir daí acompanhamos uma relação entre Mason e Britt crescer, mas será que ela pode confiar nele? Podia confiar em seu sentimento estando nessa situação extrema de perigo e sobrevivência? E será que Calvin encontrou sua amiga, Korbie? Ele ainda está a sua procura? Por que Calvin atirou em um homem que estava desarmado e não só o prendeu e procurou a polícia? Muitos são os mistérios que rondam as montanhas Teton e nos vemos envolvidos nessa trama.


  Devo dizer que a partir de certo ponto do livro, a história se tornou bem previsível pra mim, porém, entretanto, todavia, a autora soube criar personagens tão envolventes que mesmo com a previsibilidade, eu queria muito seguir acompanhando o desenrolar da “aventura”. A escrita envolvente fez com que eu mesma achasse estar com a Síndrome de Estocolmo (aushuahsuah). De leitura fácil , eu muito recomendo para aqueles que gostam de um bom suspense, ou pra quem quer iniciar nesse estilo de livro. Um suspense de que não conseguimos tirar os olhos.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.