[Resenha] Renato Russo, O filho da revolução

Assim que vislumbrei esse livro senti vontade de conhecer. Não só porque as músicas da Legião Urbana sempre estiveram presentes na minha vida, como também, por Renato ser um dos maiores nomes que a música brasileira já teve. 
Ficha técnica
Autor: Carlos Marcelo
Editora: Planeta
Ano: 2018
Páginas: 464
Esse livro é muito além de Renato, traz no seu começo uma contextualização da época. Traz a criação de Brasília, o período terrível do nosso país que foi a ditadura militar e isso é um grande ponto positivo do livro, que é um prato cheio pra quem também quer saber um pouco mais da história do país. 

Conhecemos Renato Manfredini Júnior e o seu temperamento nada fácil. O entendemos e o vemos crescer. Mas mesmo sendo uma biografia de Renato, muitos outros nomes da música aparecem por aqui e isso é outro ponto que deixa o livro muito mais interessante do que já seria. Um pouquinho de tantos artistas num livro de escrita limpa, fácil e que nos enche de novos conhecimentos. 
Duas décadas depois da morte do vocalista da Legião Urbana, ele permanece por aí e por aqui. Assombrando, surpreendendo, emocionando. É um dos raros da sua profissão que conseguiu ultrapassar a barreira geracional e continuar relevante para jovens e velhos, pais e filhos.
Se você gosta do rock nacional, se conhece as músicas da Legião, você precisa ler esse livro e conhecer mais dessa banda e desse artista que escreveu músicas que falam e parecem ter sido escritas hoje.

Renato foi um monstro da música. Um cara que depois da leitura desse livro, se tornou mais especial ainda. Lia o livro e ouvia suas músicas e foi uma experiência incrível. Um escrita simples, mas carregada de detalhes e de momentos marcantes.
— Quando você canta numa banda chamada Aborto Elétrico, você está falando também do medo que todas as mulheres passam todos os dias. É uma declaração feminista.
Renato gosta da resposta e, por essas e outras conversas, Coeli ganha a sua admiração. 
Renato se foi, mas a sua magia persiste e seu legado ficou conosco e essa obra literária mostra todo o tamanho que foi Renato, que foi Legião.