[Resenha] Os 27 crushes de Molly

'Os 27 crushes de Molly' nos traz ao mundo de duas irmãs gêmeas, Cassie e Molly. Mas a diferença entre elas é enorme, seja física ou como na personalidade. Molly é gorda, tem insegurança com seu próprio corpo e por isso, arrecada crushes mas sem que eles nunca saibam disso e sem nunca ter sequer beijado alguém.

Ficha técnica
Autora: Becky Albertalli
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Ano: 2017
Cassie, ao contrário de Molly, é super segura de si, sendo totalmente diferente. Agora que tem um relacionamento, Cassie quer fazer de tudo para que a irmã consiga alguém também, que pare apenas de ficar com os crushes em pensamentos e que possa conquistar alguém pra si. 

Um cara incrível, melhor amigo da namorada de Cassie, é um par promissor para Molly e assim, a operação namorado se inicia por parte de Cassie, porém Molly não se sente tão confiante com isso e nem sabe se de fato nutre sentimentos maiores por Will, mesmo que ele seja um tremendo gato e pareça admirá-la. 
Odeio odiar meu corpo. Na verdade, nem odeio meu corpo. Só fico com medo de todo mundo odiar.
Acontece que nem tudo acontece como previsto e quando começa em um emprego novo, Molly conhece Reid e mesmo que ela diga a si mesma que não, algo no coração dela muda quando ele está por perto e seria ele, então, o crush número 27? 

Divida nessa situação, Molly terá de enfrentar essa questão e também o drama de ver sua irmã, que é sua melhor amiga, se afastar porque agora tem Mina, a namorada e é inevitável que sua irmã gêmea que era sua companhia inseparável se sinta um pouco deixada de lado, causando atrito entre elas. 
A gente gosta de quem gosta. E daí se os outros não entendem?
O drama adolescente de Molly é comum a muitas pessoas e é muito legal acompanhar a personagem durante esse caminho de descobertas. Uma adolescente fora dos esteriótipos aprendendo que crescer não é tão fácil e simples assim. A personagem principal é daqueles tipos muito fáceis de se identificar, sabe? O que é muito bom durante a leitura.

Apesar da autora querer trazer personagens representativos, fora dos padrões da sociedade, achei que pecou um pouco em os deixar tão esteriotipados e muitas vezes focando demais nas suas características de fora e esquecendo o que eles são por dentro, mas esse foi o único ponto que ao meu ver, poderia ter sido melhor trabalhado. Mas claro, entendo que ela queria mostrar esses personagens sendo o que são e mostrando que não há espaço para preconceitos.

O livro é um amorzinho e a leitura passa de forma rápida. A escrita é fluida demais e os personagens, na sua grande maioria são adoráveis. 
Porque essa é a questão da mudança. É normal sofrer com elas. É a mais básica de todas as tragédias.
NOTA: 4,5/5 🌟



Tecnologia do Blogger.