[Resenha] Clube da luta

Primeira regra do Clube da luta: nunca fale sobre o clube da luta e sim, eu estou quebrando esta regra. Neste livro temos um narrador sem nome, que vive uma vidinha solitária e bem pacata, além do fato de que sofre com insônia, chegando a passar meses sem dormir. 

Durante uma visita à praia acaba conhecendo Tyler Durden, um homem misterioso e que é tudo aquilo que nosso narrador não é. Cheio de sabedoria, coragem, vive a vida sem seguir normas e padrões. Por algumas coisas que acontecem, nosso narrador passa a morar junto com Tyler e com isso sua vida muda totalmente. 

Ficha técnica
Autor: Chuck Palahniuk
Editora: Leya
Ano: 2012
Páginas: 272

Além de Tyler Durden, nosso narrador sem nome que frenquenta grupos de apoio à todo tipo de problema, (o que faz com que ele se sinta melhor) conhece Marla Singer uma mulher sem lugar no mundo e que agora não sai de sua cabeça nem de sua vida, fazendo com que tudo fique mais confuso em seu cotidiano. 

Indo na onda do amigo Tyler, juntos eles criam o Clube da luta, aonde homens simplesmente batem um no outro fisicamente, o que faz do clube um sucesso (pois é). Várias noites na semana as reuniões acontecem e se espalham por diversos lugares. 

Sabe aquele velho ditado que diz que a gente destrói quem mais ama? Bom, o inverso também é verdadeiro.
O livro é um tanto confuso no início e todos os personagens têm personalidades estranhas. São todos meio malucos e durante a leitura estava achando que estava maluca também. Confesso que passei mais da metade do livro sem entender basicamente nada, mas no final tudo acaba se encaixando.  

Ele certamente não é um livro muito fácil de se ler, já que demoramos a compreender de fato a estória. O livro é cheio de frases metafóricas e a narrativa se interrompe e isso pode dificultar um pouco o entendimento, se não for lido com atenção. Sugiro que leiam quando se sentirem preparados e com a mente limpa para uma boa compreensão.

É só um momento, disse Tyler, você dá um duro danado, mas um momento de perfeição vale qualquer esforço. Um momento é o máximo que se pode esperar da perfeição.
A leitura por vezes foi um tanto desgastante, mas o final compensa toda a maluquice e a leitura estranha que o livro proporciona aos leitores. Com certeza se você chega ao final, sabe que esse livro é inesquecível. Nunca havia lido nada parecido e com certeza não lerei. Os personagens também são fortes e me cativaram de uma forma bem peculiar. 

Logo após a leitura, resolvi assistir ao filme e ele é tão confuso quando começa quanto o livro. Mas tudo se encaixa se você supera toda a esquisitice e chega ao final. Eu recomendo a leitura, que mesmo que seja um tanto lenta ou confusa, em seu final te agarra e te joga no chão. 

Às vezes você faz as coisas e acaba se ferrando. Outras, são as coisas
que não faz que acabam ferrando você.

Nota: 4,5/5 🌟